A filosofia da nossa viticultura é respeitar o equilíbrio num terroir de eleição, privilegiando a harmonia perfeita da vinha com a beleza paisagística da Quinta do Crasto e do vale do rio Douro, não esquecendo a sua integração e com a riqueza da fauna e flora autóctones. Esta é a nossa visão para garantir o equilíbrio do nosso património ecológico. As nossas técnicas de viticultura assentam numa forte base ecológica sem recurso a produtos ou substâncias não homologadas por entidades reguladoras nacionais e internacionais, garantindo assim um total respeito pelo meio ambiente e mantendo as nossas vinhas em paisagem evolutiva viva. Respeitamos as nossas Vinhas Velhas (vinhas centenárias) e preocupamo-nos com a preservação da sua identidade.

Neste sentido, estamos a criar o mapa genético da vinha, com o fim de garantir a sua identidade genética no futuro. Priorizamos a modernização vitícola de uma forma que seja compatível com a salvaguarda das áreas de vegetação natural para refúgio da fauna e proteção da paisagem e dos solos. Esta filosofia de trabalho é sobretudo para nós uma forma muito importante de preservar a biodiversidade no vale do rio Douro.

A nossa viticultura está direcionada para um perfeito equilíbrio entre o status quo existente e o ecossistema, maximizando o património “terra” e tudo aquilo que lhe está associado. O nosso objetivo é, assim, criar condições ecológicas para produção de uvas de elevada qualidade, promovendo a natureza, a continuidade das espécies e os fatores que lhe estão intrinsecamente ligados.

Preocupamo-nos em produzir vinhos com identidade própria, elegantes, frescos, de excelente estrutura e que transmitam a complexidade da enorme diversidade de castas. Vinhos de um terroir único e inigualável, que reproduzem as verdadeiras essências da Região do Douro.